Ibaneis entra na briga pelo reajuste da Polícia Civil

10 de setembro de 2022

Ibaneis agradeceu o empenho dos policiais civis e se prontificou, em um segundo mandato, a buscar mais um aumento da remuneração da categoria, que em 2019 foi contemplada com 8% de reajuste. “Fizemos todas as contas juntos, com a participação dos sindicatos e associações e você saber que tem condições de ter reajustes e não conseguir dar porque depende dos outros. Ficamos na dependência dos outros estados, que têm as suas políticas salariais”, lembrou.

Segundo o governador, em um segundo mandato será necessário lutar pela independência na gestão do Fundo Constitucional. “Está passando da hora de conseguir força no Congresso Nacional para aprovar uma medida que transfira a responsabilidade da gestão do Fundo Constitucional para o DF. Essa talvez seja a nossa grande libertação em relação a tudo o que precisa acontecer”, disse o emedebista ao lembrar que mudanças na remuneração dos profissionais das forças de segurança dependem da Câmara Federal.

No almoço, o governador assinou uma carta de intenções se comprometendo a lutar pela reestruturação da carreira e recomposição salarial, o pagamento de pecúnias, a regularização do clube da Adepol e outras demandas.

Por outro lado, a criação do plano de saúde, do auxílio-uniforme, do Serviço Voluntário Gratificado (SVG) durante o governo Ibaneis foram reconhecidos pelos policiais. “A principal palavra é de agradecimento, a gente sabe que a grande demanda é a justa e merecida recomposição salarial ainda, que não veio, mas sabemos que houve iniciativa dentro da Polícia Civil, entidades de classes, chegou até a área federal, mas acabou não saindo”, lembrou o presidente da Adepol, Amarildo Fernandes, ao agradecer o que já foi feito pelo governo Ibaneis. “Outra questão foi a melhoria nas nossas condições de trabalho, seja com as obras e equipamentos. Nosso auxílio-alimentação também foi majorado. Somando isso tudo já dá uma enorme conquista”, complementou.

O chefe do Executivo também falou do bom relacionamento com os servidores públicos. “Esse é um governo de avanços, não só pelas obras e questões sociais, mas é o avanço do trato. Esse talvez tenha sido o governo com menor número de greves da história do DF, exatamente pelo diálogo que existiu com todos”, afirmou Ibaneis Rocha.

Adesivaço no Guará

Antes do almoço, Ibaneis Rocha participou de um adesivaço com apoiadores, no Quiosque da Jô, no Guará II. Ele cumprimentou a população e pediu votos para a coligação Unidos pelo DF.

Fonte: Flirck

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.