13 de dezembro de 2021

Mil agentes de Vigilância Ambiental trabalham no combate à dengue

Entre novembro de 2020 e novembro deste ano houve redução significativa no número de casos – de 58.254 para 19.561; um recuo de quase 70%

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal está identificando por meio do Levantamento do Índice Rápido de Amostragem (Liraa) os principais focos de dengue na cidade. Desde o dia 16 de novembro, 500 novos agentes de Vigilância Ambiental, contratados em processo seletivo temporário, estão percorrendo as ruas das diversas regiões administrativas para fazer o trabalho de monitoramento e prevenção dos casos de dengue. Eles se juntaram a outros 500 já contratados.

Novos agentes de Vigilância Ambiental estão percorrendo as ruas do DF para o trabalho de monitoramento e prevenção dos casos de dengue. A maior incidência da doença é de setembro a abril, período de chuvas | Foto: Sandro Araújo/Agência Saúde

O ovo do mosquito pode viver 450 dias, mais de um ano. Basta ter contato com a água para que ele ecloda, forme larvas e, depois, o mosquitoJadir Costa Filho, diretor de Vigilância Epidemiológica

Os mil agentes vão reforçar – agora pelo Liraa – o combate ao mosquito, trabalho que é feito durante o ano todo pelos órgãos do Distrito Federal envolvidos no combate a arboviroses. O resultado é uma queda de 70% nos casos de dengue, registrada entre novembro de 2020 e novembro deste ano: 58.254 para 19.561.

“Para realizar o Liraa, o agente precisa entrar no imóvel e coletar possíveis amostras de focos do mosquito Aedes aegypti para descobrir o índice de manifestação. Na semana seguinte, os agentes voltam aos locais e fazem o tratamento de 100% das casas, ou seja, o tratamento é realizado em um raio de 300 metros do local identificado com foco”, explica a chefe do Núcleo de Vigilância Ambiental de Ceilândia, Ana Bispo de Castro.

“O trabalho de combate aos focos da dengue é feito durante todo ano, com visitas às residências, conscientização da população e recolhimento de entulho. O ovo do mosquito pode viver 450 dias, mais de um ano. Basta ter contato com a água para que ele ecloda, forme larvas e, depois, o mosquito”, explica o diretor de Vigilância Epidemiológica, Jadir Costa Filho.

A maior incidência da doença é de setembro a abril, período de chuvas. “As ações nas regiões são desenvolvidas de acordo com a necessidade de cada região”, diz o diretor. Combate à dengue no DF é realizado de acordo com o Plano Para Enfrentamento da Dengue e Outras Arboviroses (2020-2023), que traz todas as informações das ações desenvolvidas no DF. Este documento pode ser acessado por aqui.

Ceilândia, Paranoá e Planaltina

Para a região de Ceilândia foram enviados 60 agentes, que ficarão responsáveis pelo Liraa na localidade. De acordo com o método, 20% dos imóveis da região foram selecionados para serem submetidos à vistoria completa. Desta forma é possível identificar os locais onde existem mais focos do mosquito, como caixas-d’água, vasilhas, plantas e baldes.

De acordo com o último boletim epidemiológico, publicado em novembro, em Ceilândia foram notificados 1.183 casos. O número representa uma queda de 78,4% em relação ao mesmo período de 2020, quando ocorreram 5.151 casos. No Paranoá, a Vigilância à Saúde registrou, em 2021, 570 casos e uma queda de 6,7% em relação às 617 notificações de novembro do ano passado.

Embora o Liraa esteja sendo realizado em todo o DF, o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero, aponta Ceilândia, Paranoá e Planaltina como as cidades mais suscetíveis a casos de dengue. “Planaltina tem muitos focos. É uma cidade antiga, com baixa corrente de vento”, explicou.

Para a região de Ceilândia foram enviados 60 agentes, que ficarão responsáveis pelo Liraa na localidade. De acordo com o método, 20% dos imóveis da região foram selecionados para serem submetidos à vistoria completa | Foto: Sandro Araújo/Agência Saúde DF

Em Planaltina houve um aumento de 28,3% em relação ao mesmo período de 2020. Os números passaram de 2.449, em 2020, para 3.173 neste ano. Para reduzir a quantidade de casos da doença, a administração da RA trabalha no recolhimento de entulhos nas ruas e orientação às pessoas com relação ao descarte correto do lixo.

A estudante de Filosofia, Marília das Neves, de 21 anos, moradora de Planaltina, contraiu duas doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Aos 15 anos, em 2016, ela foi diagnosticada com Chikungunya e, quatro anos depois, contraiu dengue hemorrágica. “Da segunda vez que contraí a doença eu morava perto de uma feira de hortifrúti, um local em que existem focos do mosquito”. “Foi bem ruim, fiquei muito doente, perdi vários dias de aula na UnB”, disse Marília.

A diretora regional de Atenção Primária Saúde, Charmene Menezes, disse que a contratação dos 500 agentes de Vigilância Ambiental possibilitará às equipes da saúde da família contar com profissionais desse setor, o que intensificará o trabalho de conscientização da população acerca do combate à dengue.

Fonte: CATARINA LIMA, DA AGÊNCIA BRASÍLIA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *