17 de agosto de 2021

Qualquer vacina pode provocar reações e por diversos fatores

Conheça os mais comuns e o que fazer em caso de manifestação de evento adverso. E lembre-se: o risco da reação é menor do que o de contrair a doença

Com a campanha de imunização contra a covid-19, as reações provocadas pelas vacinas passaram a ser muito comentadas. Trata-se do chamado Evento Adverso Pós-Vacinação (EAPV) que pode ocorrer com qualquer imunizante e estar relacionado a causas variadas.

Normalmente, as principais reações provocadas pelas vacinas são febre, dor e edema no local da aplicação | Foto: Geovana Albuquerque/Agência Saúde

Segundo a gerente de Doenças Imunopreveníveis Renata Brandão, as reações podem estar ligadas ao tipo de vacina aplicada e sua forma de produção, à pessoa que recebeu a dose e suas condições físicas, tais como se possui alguma doença alérgica, deficiência imunológica ou algum outro fator que predisponha ao EAPV, bem como ao modo como foi administrado o imunizante (via intradérmica, subcutânea ou intramuscular).

As principais reações ocasionadas pelas vacinas em geral são febre, dor e edema no local da aplicação. Especificamente quanto aos imunizantes contra a covid-19, a gerente destaca que as reações mais comumente relatadas são dor no local da aplicação, fadiga, febre baixa, mialgia (dor muscular), diarreia, náusea e dor de cabeça.

Mesmo com a possibilidade de apresentar alguma reação, os riscos são bem menores do que contrair a doença, seja a covid-19 ou qualquer outra para a qual já exista vacina

“Eventos incomuns também foram apresentados e incluem vômito, dor abdominal inferior, distensão abdominal, tonturas, tosse, perda de apetite, hipersensibilidade cutânea (reações na pele), pressão arterial elevada, diminuição da força muscular, coloração anormal no local da aplicação, entre outros”, elenca Renata Brandão.

Mesmo com a possibilidade de apresentar alguma reação, os riscos são bem menores do que contrair a doença, seja a covid-19 ou qualquer outra para a qual já exista vacina. “Antes de serem disponibilizadas para a população, os imunizantes percorrem um rigoroso processo até obter registro pelas agências reguladoras”, reforça a gerente. Assim, a vacinação é recomendada como qualquer imunobiológico em uso no Brasil, pois todos são seguros e aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Ela aponta também que a vacina contra a covid-19 representa importante instrumento para o controle da pandemia junto com as demais medidas como uso de máscara, distanciamento social e higienização constante das mãos.

“O usuário deve ser orientado para que, caso apresente qualquer sinal ou sintoma após a vacinação, retorne para ser atendido e avaliado em qualquer serviço de saúde, onde deverá ser realizada a notificação EAPV”Renata Brandão, gerente de Doenças Imunopreveníveis

O que fazer quando apresentar alguma reação?

Em geral, os eventos adversos são leves e passam em poucos dias. Os profissionais que realizam a vacinação são orientados a fornecer todas as informações ao público em relação a possíveis reações e, em caso de algum evento adverso, qual a conduta a ser adotada, como por exemplo, onde buscar ajuda.

“O usuário deve ser orientado para que, caso apresente qualquer sinal ou sintoma após a vacinação, retorne para ser atendido e avaliado em qualquer serviço de saúde, onde deverá ser realizada a notificação EAPV”, alerta a gerente. Ela ressalta ainda que, preferencialmente, a pessoa busque a unidade básica de saúde (UBS) do seu território, ainda que tenha tomado a dose em outro local, para que possa receber o acompanhamento adequado.

Notificação

Desde janeiro de 2021, todos os eventos adversos pós-vacinação relacionados aos imunobiológicos do Calendário Nacional de Vacinação devem ser notificados no e-SUS Notifica. “O profissional de saúde deve possuir login e senha para ter acesso ao e-SUS Notifica e o cadastro no sistema é feito pelo próprio profissional de saúde”, explica Renata.

São unidades notificadoras, ainda segundo Renata, as unidades básicas de saúde, as unidades de pronto atendimento (UPA), os prontos-socorros, os hospitais e qualquer outra unidade de saúde pública ou privada.

Casos no DF

De acordo com o boletim nº 27 da Campanha de Vacinação contra a covid-19, desde o início da campanha de vacinação no Distrito Federal, em 19 de janeiro, até o dia 9 de agosto, foram notificados no sistema 3.412 casos de EAPV associados temporalmente às vacinas contra o coronavírus. Os dados são preliminares e sujeitos à alteração.

 

*Com informações da Secretaria de Saúde

Fonte: AGÊNCIA BRASÍLIA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *